domingo, junho 04, 2017

I try hard

Hoje, aos poucos, eu me abro para as pessoas com quem construí certa intimidade. Isso acontece quando a minha cicatriz é tocada por algum sonho ou uma lembrança muito forte e, consequentemente, dói. E nessas horas em que tenho necessidade de falar, eu me abro. Posso não receber uma palavra em troca, mas sinto que recebo um abraço e que sou ouvido. Assim, pela receptividade das pessoas que me ouviram, pela existência daqueles que se importam comigo, mas eu ainda me sinto sozinho. Ainda.

quarta-feira, outubro 19, 2016

Amor fati

Viver tem se tornado algo muito mais difícil do que eu mesmo imaginava. Continuar, sobreviver, é muito mais difícil ainda. Me dói. Muito. Tudo a minha volta me machuca ou quer me machucar, ou mesmo, talvez, uma dia, irá me machucar. Tenho medo de existir, tenho estado cansado de continuar. Remar. Atravessar e estrada e nunca me acontecer nada. Li tudo que acreditava que me salvaria. Não funcionou. Ouvi todas as músicas que salvaram minha vida por algum tempo. Agora não mais me ajudam. Decorei poesias que me descreviam. Agora não me descrevem mais. Acreditei. Orei. Jurei. Confiei. Não fui capaz de sobreviver a isto tudo. O mundo anda muito complicado. Minha coleção de fracassos mais parece um livro em eterna construção. Por medo de fracassar mais e de novo, penso em me privar. Por Deus! Quantas foram as vezes que eu pensei em nunca ter existido. Já não sou ouvido, não tenho mais voz para gritar ao mundo que eu ainda estou aqui. Não existem mais ouvidos que queiram ouvir meus grunhidos, chatos, reclamões. Nada mais do que pedaços de um coração totalmente doce e desfigurado. Talvez, essa tenha sido a minha vida. A minha sina. Perder para o mundo. Mereço cessar a dor. A ferida que nunca estanca e cicatriza. Os locais onde pisei e nunca mais gostaria de pisar novamente. Assuntos. Pessoas. Coisas. Momentos. Sabores e cheiros. É tudo mais do mesmo. Sucumbir. Talvez. Ou não.

sexta-feira, outubro 14, 2016

Eu queria ter uma bomba Um flit paralisante qualquer Pra poder me livrar Do prático efeito



Eu acho que não existo. Essa frase seria poética se não fosse triste e perturbadora. Acho um tanto triste eu estar aonde me encontro. Tenho certeza de que se a gente estivesse onde a gente quisesse, eu não estaria aqui.

Só para lembrar: É primavera e não é (ou era) para estar esse calor da porra! Como isso me consome.

quinta-feira, setembro 08, 2016

Journey of dreams

Dominar as palavras de modo que elas saiam de mim é algo que ainda não aprendi. Por isso, acabo fazendo textos que dirão coisas além o que vocês deveriam saber. Eu sei. Eu sei. É inútil esconder o que se sente, só que também é inútil sentir se você não aparece. Irão me dizer que nunca dá para saber ao certo o que é real e o que não é aqui, mas eu sei que vocês sabem. Vocês sempre souberam. A dúvida é dos outros que não pode precisar se vivo isso tudo ou mesmo se você é de verdade. E é isso que fascina. A eles, o benefício da dúvida. A vocês, a certeza das frases. Meus textos são sobreviventes de um desencanto possível. Heróis de uma conquista imaginada. Algozes de sentimentos prováveis. Enquanto isso, o cigarro se apaga enquanto eu olho para você. E a rua vai sentir minha ausência. Aí vamos botar uma música. Você vai se levantar. Eu ficarei no sofá.

“Dança comigo?”


Você sabe, eu nunca aprendi a dançar. Acho que é por isso que sonho com o dia em que o dançar vá deixar de ser assim.

quinta-feira, junho 16, 2016

Sobre a lua, o sol, o tempo e eu mesmo

Extremamente massante ir vivendo dia a dia, noite a noite. A mudança acontece em tudo a sua volta, o próprio tempo muda – sim, aqui considero o tempo, independente do que será escrito, uma variante. Vem o sol e ilumina a todos que lá colocam suas caras feias ou bonitas para serem iluminadas. Daí, ele sai de cena e deixa todo o cenário que era todinho dele para sua fiel auxiliar, a lua. O interessante dela é que mesmo sem ter luz própria, realiza, de forma notadamente humilde e de acordo com suas possibilidades o árduo ofício de preencher um céu coberto de estrelas de latas, já mortas há milhares ou talvez bilhões de anos, que teimam em ferir nossas mãos, é tudo ilusão. O que foi aqui dito nada mais é do que um retrato de um dia comum. Se o próprio sistema consegue realizar essa permuta de guarda com maestria, nós, seres da Terra, temos mais dificuldades em lidar com todas essas mudanças. À exemplo, cito a maré, ela que atua nos conformes da lua e, dependendo da fase lunar, a maré também é afetada. Sobe ou desce. Sim! De fato estou afirmando que o mar é suscetível às mudanças da própria natureza. Toda a natureza, em sua grandiosidade e plenitude, ainda assim sente e externa as consequências destas mudanças. E sobre nós¿ Seres tão pequenos e covardes no âmbito natural e intergaláctico¿ Por óbvio, também somos afetados. A troca de guarda mexe demais na cabeça de algumas pessoas, em especial na minha. Até mesmo quando desperto do estado de torpor causado pelo sono, demoro a pisar no chão novamente. Vários pensamentos condensados pela noite de sono, confusos, e que mal se encaixam. Preciso de tempo. Algum tempo. Organizar os pensamentos, saí da letargia do sono para voltar ao mundo dos vivos/acordados. Sonhos confusos, que tentam nos pregar algumas peças, por outras vezes, se guardam somente ao direito de bagunçar sua cabeça sem qualquer sentido. Na verdade, nem sempre procurar sentido nas coisas é o que deve ser feito. Já disso isto aqui antes, e digo novamente. Eu sou desta forma, sinto em demasia as mudanças. Sejam elas climáticas, lunares, solares, da maré, do sono para o despertar, do tom de voz sereno e calmo até o mais agressivo e alto, que tenta lhe intimidar. Mas vou dizer uma verdade, tentem melhor das próximas vezes. Aqui não! Não haverá intimidação. Só peço que me respeitem, minha vida, meu tempo, minhas regras. Talvez agora eu faça as coisas certas, ô desta vez, neste tempo. Sou assim, sempre fui assim, e pra falar a verdade, acho que até gosto deste meu jeito...Complicado¿ Eu¿ Passa pro próximo. É que é superficial e simples demais ser simples de pensamento e redundar nas ideias, prefiro o caminho mais sinuoso. Me cansa, me dói, mas é mais a minha cara. Sempre tento fazer dos locais a minha casa, por vezes o meu templo. Minha casa ainda não encontrei, mas o meu templo é todo e qualquer lugar onde estou. Eu sou senhor de mim.

quarta-feira, março 23, 2016

Velho Mártir

Todos me perguntam por qual motivo tenho evitado diálogos e conversas que somente me levam à fadiga. A questão é muito simples, não ando tendo muito saco para expor o que penso, e na verdade, cago e ando para o que irão pensar sobre o que penso. Não tenho NENHUM compromisso em convencer ninguém e muito menos esse suposto convencimento farão das minhas ideias tornarem-se mais legítimas para mim. Sem compromisso.

Noutro ponto, a melhor companhia tem sido a televisão com seus shows americanos e escrotos, que nada acrescentam, é verdade; mas a TV não me propõe interação. Basta eu ficar calado, quieto, na minha, vendo esses showzinhos de horrores. Repito: calado. Isso me poupa tempo, saco e paciência. Tenho que lidar com humanos ao longo de todo meu dia, tudo tem que ser resolvido rápido e preferencialmente de graça, quando não, a um custo irrisório. Tem sido assim. 

Parei para pensar um pouco.

Acordei acreditando que era possível mudar a mim mesmo. Refazer passos, rever conceitos, reaprender a vida. Por isso, calcei os chinelos e fui encontrar o mundo.

Pena que ele passou uma rasteira e, quando vi, minha cara marcada no chão lembrava o quanto estou preso ao que sempre fui.

segunda-feira, março 21, 2016

“Vai viver, cara”


Achei a história deveras bonita e marcante. Resolvi colocar na íntegra ao invés de resumir; não acredito que um resumo seja capaz de traduzir os escritos abaixo. Retirado de: http://vamosfalarsobreoluto.com.br/2016/01/09/vai-viver-cara/


“Vai viver, cara”

O publicitário Paulo Camossa, 50, se viu diante da fragilidade da vida depois de perder a filha Amanda, na época com 18 anos. Sete anos depois, ele tem uma resposta clara sobre como conseguiu dar um novo sentido à própria existência: nunca rompendo com a memória e tentando viver com a mesma intensidade que Amanda viveu
6.3K52
 
Depoimento a Laura Capanema

Paulo e a filha Amanda: separação precoce
Paulo e a filha Amanda: separação precoce

“Em nenhum momento achei que ela tivesse desaparecido. Aprendi a lidar com a dor enxergando a partida como algo natural, um pedaço da própria existência – a morte significa um novo jeito de existir. Nem sei com que frequência penso nela. Sei lá, todos os dias? Se eu escuto uma música que gostávamos de ouvir juntos, vou pensar em nós, claro, mas de um jeito diferente: ao invés de ‘eu queria que você estivesse aqui para ouvir isso’, penso ‘se você estivesse aqui, iria amar ouvir isso’. Ela aparece para mim das formas mais variadas, nas coisas que eu vejo, nas coisas que eu faço. Quando me perguntam se tenho filhos, sempre respondo: ‘Sim, uma filha. Ela não está mais aqui com a gente’.
Nossa história começou quando ela nasceu, dois anos depois do meu casamento – casei cedo, aos 22, mas logo me separei. Foram quatro anos até o dia em que ela foi morar comigo. E foi assim, desde então. Vivemos juntos desde os seus oito anos até o momento da sua partida.
Amanda sempre foi a minha prioridade. Tivemos uma relação muito forte, talvez até incomum entre um pai e uma filha, especialmente naquela época. Mesmo com a vida agitada da agência, cheia de coquetéis e viagens, sempre preferi ficar com ela. Nossas memórias estão vivas: lembro com clareza de datas, como do 7 setembro de 1998, quando ela aprendeu a andar de bicicleta no Ibirapuera; ou do dia 20 de dezembro de 2008, nosso último passeio a pé – assistimos Vicky Cristina Barcelona no Reserva Cultural e depois saímos caminhando pela Paulista de ponta a ponta. Eu tinha medo de esquecer das pequenas coisas, mas lembro de tudo, a toda hora: inclusive de que nunca ia dormir sem antes lhe dar um abraço de boa noite.
Aos 18 anos, ela tinha acabado de entrar na faculdade (a mesma que eu havia cursado) e estava, de certa forma, encaminhada, com estágios garantidos. E feliz. Até o dia em que voltou da aula, tomou sol (o porteiro do prédio me contou), falou com a Bel, a moça que trabalhava na nossa casa, e foi deitar. Eu estava no trabalho quando a mãe dela me ligou à tarde, preocupada, dizendo que ela não atendia o telefone. ‘Normal da idade, claro que está tudo bem’. Voltei para casa no horário de sempre e encontrei a porta do quarto fechada, com a luz da TV passando pela fresta inferior. Ela estava lá dormindo, linda. Fui dar um beijo nela e senti seu rosto frio. Chamei um vizinho médico, depois o SAMU. Tentamos trazê-la de volta, mas ela já havia partido. Desligou.
A causa oficial, segundo o laudo, foi um edema pulmonar agudo. Nunca tinha acontecido nada similar na família, mas não havia o que fazer – era preciso aceitar. Por sorte, toda a nossa história me confortava.
A energia boa das pessoas próximas me amparou. Como ela teve uma morte incomum, o funeral aconteceu dois dias depois e logo já me vi cercado de gente querida. Esse apoio me anestesiou. Tanto que, desde seu velório me tornei mais frequente nos velórios da vida, pois entendi o quanto é importante estar presente – mês passado, o pai de um amigo faleceu em Pirassununga num domingo, logo depois de eu ter retornado a São Paulo (Pirassununga é minha cidade natal). Parei tudo e voltei para a estrada.
Mas chega uma hora em que, depois de tanto amparo, as pessoas que nos cercam vão tocar suas vidas. E a gente fica, tentando encontrar um jeito de seguir. No meu caso, passei a trabalhar pela memória dela, dia após dia. Editei vários vídeos e coloquei todos no Youtube.
Também montei a playlist da sua vida – nós amávamos música, era parte fundamental do nosso relacionamento. E de uns tempos para cá escrevo nas redes sociais em seus dois aniversários (o de chegada e o de partida) coisas como ‘25 curiosidades aleatórias sobre a Amanda Camossa’ (duas: ela nunca misturava arroz e feijão e preferia misto frio a misto quente). Não concordo quando dizem que ela viveu pouco. Ela viveu muito por 18 anos, influenciou profundamente quem vivia ao redor. Ela é de uma intensidade incrível. Ela é – assim mesmo, no presente.
Outro dia trombei um amigo que não via há anos: ‘Pô, e como está a Amanda? Deve estar enorme, né?’. Dei um abraço forte nele: ‘Que bom que você se lembra dela! Mas ela não está mais aqui’. E ele: ‘Como assim, mano? O que aconteceu?’. O cara ficou desolado, achou que tinha dado um fora. Mas, poxa, não precisava: ‘Não te falei que fiquei imensamente feliz só pelo fato de você perguntar por ela?’.
Não sou cético e de fato não acredito que a vida é só o que temos aqui. Minha formação é católica e minha crença ligada ao Kardecismo. Porém, fé é algo que transpõe doutrinas. Prefiro não falar de religião porque essa ideia nos leva a seguir uma corrente só. A fé é um feeling, um sentimento, uma certeza de que existe algo além. No meu caso, de que a minha filha está comigo. Minha serenidade é 100% fé.
Já tive vários encontros com a Amanda. Há sonhos que são sonhos e há sonhos que não são sonhos. Algumas vezes, eu a sinto no vento. Claro que tenho saudade – e isso não é, necessariamente, ruim. Saudade é uma forma de presença: a gente só sente do que já foi bom. Às vezes, bem às vezes, sinto um aperto mais forte, dolorido. Mas passa. Sei que a nossa ligação vai muito além daqui.
A Amanda me fez parar para pensar em mim. Eu tinha um trabalho que adorava, mas havia uma inquietação: o que eu mais gostava de fazer era insignificante para a agência. Eu ficava feliz quando conseguia ajudar produtores de conteúdo a viabilizarem seus projetos – eu trabalhava com mídia, conhecia bem o mercado. E pensava: ‘se nada diferente acontecer comigo, ainda tenho uns 40 anos pela frente. Vou querer viver muito ou pouco?’. Até que a minha cabeça começou a se organizar para viver… muito. E decidi ser leve. Abandonei o carro e passei a caminhar exaustivamente pela cidade, do Ipiranga ao Carandiru. Reconquistei uma simplicidade que sempre esteve dentro de mim – mesmo quando publicitário, nunca gostei da bajulação –, mas que havia se apagado exatamente por eu nunca ter parado para me escutar.
Tirei um ano sabático, aprendi a mergulhar, a mixar música, a editar livro e fiquei um tempo em Boston dando um tapa no inglês. Todos esses cursos me ensinaram muito mais que suas próprias metodologias – o mergulho, por exemplo, é um curso ‘de cagadas’, em que você treina para se virar em situações que podem dar errado (mas no final dá tudo certo). Na mixagem entendi que coisas diferentes podem combinar entre si para criar uma outra coisa. E hoje faço exatamente isso: misturo sem medo conhecimentos aleatórios que adquiri ao longo da vida. Acabei de abrir minha própria empresa e alugo uma cadeira em um espaço de co-working ao lado de pessoas fantásticas, que me ensinam todos os dias. Tenho uma vida mais flexível, como sempre quis.
A ideia de viver muito – e bem – veio da Amanda. Foi ao entender a intensidade da sua existência que resolvi levar a minha na direção das coisas que me movem de verdade. É como se ela me dissesse todos os dias: ‘vai viver, cara’.

A gente tem que acreditar em algo. Senão, não vai valer a pena.


No fundo, acho que ainda acredito é na força do que vem dos pequenos gestos e permanece para além dos percalços. No convite para um café no fim da tarde, no ouvir música abraçado no sofá, na poesia torta escrita em guardanapo de restaurante 24 horas. E nos presentes que são extensão daquilo que somos: o livro favorito, o disco marcante, o coração inteiro.

Ou, simplesmente, em mim e em você.